A Valorização do Servidor público

Alex SAMPAIO SAPIÊNCIA

O SIGEPE (Sistema de Gestão de Pessoas) é a mais nova ferramenta para a administração e gestão de recursos humanos do Governo Federal. Essa nova ferramenta busca agilizar, e maximizar eficiência desses serviços tão fundamentais a todos os servidores. Processos como férias, movimentações, gratificações e áreas afins são o foco do trabalho desse sistema que atua desde 2013, e já subsidia mais de um milhão de pessoas e atende a mais de 100 órgãos ligados a essas áreas.

Além das funcionalidades já mencionadas, o sistema ajuda a prevenção de fraudes. Nos últimos anos, essa ferramenta ajudou eliminar fraudes em operações consignadas, mostrando assim a eficiência de seu novo programa. Pode-se afirmar que todos os servidores federais estão inclusos em seu sistema, bem como as instituições das mais variadas como a Caixa Econômica Federal, Banco Central, Ministério Publico e instituições de ensino ligados a federação, como a UFRJ, UFF, UFRRJ, dentre outras.

Embora todo o sistema não esteja cem por cento funcional, boa parte dos serviços oferecidos já estão disponíveis ao servidor. Processos como Sigepe Mobile, Consignação, Ação Judicial, Gestão de Documentos, e Pensão Alimentícia, já estão concluídos. Outros como Desempenho ainda estão em processos de homologação, ainda outros como Gestão de Vínculo estão em desenvolvimento.

O Sistema teve seu início com um consórcio entre SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados), e Dataprev (Empresa publica ligada a Previdência Social) que enxergaram a necessidade de melhorar os serviços prestados pela baixa eficiência de seu antigo sistema. A maioria dos macroprocessos com alta prioridade não possuíam serviços em TI e, com isso, cresceu exponencialmente o número de reclamações e insatisfações.

Embora possa-se afirmar que criar novos sistemas para o auxílio de processos seja um bom sinal de melhora para a gestão, o aumento desses processos aumenta a burocracia. É certo afirmar também que a criação desse sistema descomplique e auxilie na busca de fraudes e atue como um indicador de uma melhora nos serviços prestados.

Seria correto, ético e moral se esse novo sistema ou um sistema parecido pudesse ser implantado em toda a esfera estadual, municipal e semelhantes, para reduzir as filas e o congestionamento de servidores em momentos de pico.

Desburocratização seria a chave para melhoria de todo o sistema de gestão, operacional e previdenciário, para melhorar a vida dos servidores federais, e de outras instituições. Entretanto, vale sempre a pena ressaltar que embora o sistema busque melhorar a eficiência dos processos e de seus serviços, os maiores responsáveis pela ineficiência e pelo excesso de fraudes nos mesmos, são os usuários e a não punição de crimes relacionados ao fato.